Pão de vento

Alguns amigos e parentes me perguntaram sobre o blog, pois estou com as postagens atrasadas (até levei uma bronca do meu irmão!). Mas há uma explicação: estava curtindo um breve período de férias. Mesmo assim, cumpri o cronograma direitinho! Só não tive tempo de publicá-los. Meus colegas de trabalho no escritório podem comprovar que o calendário foi seguido, pois eles são os provadores de quase todas as receitas (e provaram os dois pães antes das minhas férias).

Então, aqui vai!

Com vocês: o pão de vento!

 

O pão de vento não foi o mais saboroso, mas, sem dúvida, foi o mais divertido até agora! Até fiz um vídeo para mostrar o crescimento do pãozinho dentro do forno… bem engraçado.

O inicio é o mesmo: misturar os ingredientes da massa básica: 500 gramas de farinha de boa qualidade (eu usei farinha da marca Colavita, 00); 350 gramas de água; 10 gramas de fermento (eu utilizo o fermento seco, em saquinho) e 10 gramas de sal.

 

Depois, trabalhei a massa, fazendo os movimentos para incorporar ar. Então, deixei a massa descansar por uma hora. Após esse período, trabalhei a massa novamente, fazendo pequenas bolas e as coloquei em uma assadeira, onde ficaram descansando por apenas cinco minutos.

 

Depois, abri cada bolinha com o rolo, em pequenos discos, com aproximadamente 1 a 2 mm de espessura. Aqui vai a principal dica: os primeiros pãezinhos ficaram com cerca de 1 mm… acho que muito finos, pois eles não cresceram direito. Ficaram parte inflados, parte não inflados. Após a primeira fornada, eu deixei os demais um pouco mais “gordinhos”, e acho que funcionou melhor.

 

Assei três pães por vez. E fiz um filminho para mostrar como eles crescem. É bem divertido assistir!

 

Demorou um pouco mais de tempo do que os outros pães, porque foram muitos! Ficam parecendo pequenos discos voadores!

Mas confesso uma frustração: nem todos os pãezinhos cresceram de maneira uniforme. Alguns cresceram de um lado só. Outros, ficaram com o formato do pão sírio. Mas alguns poucos ficaram perfeitinhos, como estes, da foto.

 

Então, depois de prontos, segui a sugestão do Bertinet: abri um pãozinho por baixo, utilizando um pincel molhado e passando uma faca bem afiada, e inseri um pouquinho de salada dentro – algumas pequeninas folhas de alface e tomates cereja. Então, fechei essa “capinha” do pãozinho e fiz um prato bem lindo para o maridão.

 

Para quem tem o livro do Bertinet, pode visualizar a foto da página 43, que mostra um pãozinho perfeito, com uma saladinha dentro… confesso que o meu pão ficou bonitinho, mas muito pequeno (não ficou uma “super salada”), mas valeu pelo charme.

Sem comentários

Desculpe, os comentários estão fechados no momento.